Tecnologia de ponta aliada à boa forma

16 julho 2014

Tecnologia de ponta aliada à boa forma

Quem nunca apostou em remédios e dietas milagrosas para tentar alcançar o ideal de corpo perfeito? Todo mundo quer ficar em forma, mas a realidade é que são poucas as pessoas que têm disciplina para seguir uma dieta balanceada e conciliar com exercícios físicos. Uma empresa catarinense desenvolveu o PnPulse, um eletroestimulador gástrico cujo dispositivo é implantado no estômago a fim de induzir o organismo a produzir hormônios que controlam a saciedade, com subsequentes reduções na sensação de fome, resultando na perda de peso. “O princípio de funcionamento baseia-se no acoplamento da atividade elétrica gástrica com as respostas hormonais do sistema nervoso central. Tal fenômeno vem sendo estudado pela comunidade científica há mais de 40 anos. Há fortes indícios de que a eletroestimulação gástrica venha a se tornar a primeira opção no tratamento da obesidade, devido a sua grande eficiência, menor custo de tratamento, baixos riscos à saúde e possibilidade total de reversibilidade do processo”, explica o engenheiro Jonatas Pavei, um dos três sócios fundadores da PnPulse, empresa que desenvolveu o eletroestimulador.

A InPulse é uma startup, modelo de empresa jovem, sediada em Florianópolis, Santa Catarina, fundada em maio de 2011 por três sócios – Jonatas Pavei, 28 anos, Lucas Casagrande Neves, 29 anos e Gabriel Veloso Paim, 29 anos engenheiros de controle e automação graduados pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e mestres do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Automação e Sistemas (PPGEAS-UFSC). Em 2013, a empresa foi selecionada para apresentar no Vale do Silício, na Califórnia, Estados Unidos, alguns de seus desenvolvimentos como forma de aumentar o grau de atração de investimentos em tecnologia de ponta no Brasil. Na ocasião, a PnPulse virou notícia no CNN Money, principal site de negócios da rede norte-americana de comunicação CNN, que também hospeda as revistas Fortune e Money.

De acordo com Jonatas, os estudos realizados pelos sócios indicam que um paciente consegue atingir uma redução de 50% de sobrepeso em 12 meses. “Comparado com as cirurgias bariátricas, é um processo mais lento, porém possui um resultado similar ao das cirurgias com um processo mais natural, sem mutilação e total possibilidade de reversibilidade do tratamento”, afirmou.
O estudo da técnica da eletroestimulação implantável também está relacionado a pesquisas com outras aplicações, como no tratamento de Alzheimer, Parkinson, epilepsia, incontinência urinária e psicopatias como depressão. “Existe,
atualmente, na comunidade científica, uma corrida para encontrar novas possibilidades e tratamentos utilizando a eletroestimulação, e é nosso objetivo estar na dianteira des- te processo. O próximo desafio é, a partir desta plataforma, desenvolver um DBS (Deep-Brain Stimulation), que possui uma grande quantidade de aplicações, tais como tratamento de epilepsia, Parkinson, Alzheimer, entre outras”, disse Jonatas.

Como investimento, em 2011, o projeto ganhou um prêmio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC) através do programa Sinapse da Inovação, com sub- sequente financiamento para o desenvolvimento de um protótipo conceitual do eletroestimulador gástrico para tratamento da obesidade. “Em 2012, a empresa foi novamente contemplada através do programa PAPPE, que prevê a continu- ação do projeto do eletroestimulador gástrico até os estudos pré-clínicos. Sem considerar os investimentos da própria empresa, foram investidos R$ 260 mil no projeto”, revelou Pavei. Segundo Jonatas, os resultados dos tes- tes realizados com o dispositivo estarão disponíveis em 2014. A comercialização, de acordo com o sócio, está prevista para 2018 com um custo estimado entre R$ 12 mil e R$ 15 mil.

Fonte: Revista Inovação em Pauta – FINEP

Leave a Reply